BLOG DA VANDA

Crie glitters aqui!

Bem-Vindos!

barrinha zipper

Barrinha MaynaBaby

PENSAMENTO DA SEMANA:

PENSAMENTO DA SEMANA:

PENSAMENTO DA SEMANA:

PENSAMENTO DA SEMANA:
A NEVE E AS TEMPESTADES MATAM AS FLORES, MAS NADA PODEM CONTRA AS SEMENTES. (K. Gibran)

Total de visualizações de página

Pesquisar neste blog

SlideShow

Crie glitters aqui!

obrigada pela visita


Click here for Myspace Layouts

** MEUS VÍDEOS NO YT **

MEUS POEMAS VIDEOLOG

MEUS POEMAS VIDEOLOG
Poemas de Vanda de Freitas Bezerra

* VÍDEOS HOMENAGEM *

* POEMAS DE AMIGOS *

PREFACIO.NET (Literatura)

**** MEUS POEMAS ****

**** MEUS POEMAS ****

terça-feira, 24 de maio de 2011

DEVANEIOS... (vandafbezerra)

EM DEVANEIOS...

poema escrito por
Vanda de Freitas Bezerra

A cismar sempre ficava
Na grandeza da vida.
E quantas vezes sofrida
Nada, nada, percebia...

Isolada em meu mundo
Imersa em grande tristeza
Não vislumbrava a beleza
E as glórias da Criação.

Perdida em grande angústia
Cegamente caminhava...
E cada passo que dava
Caía em depressão.

Quanto tempo perdido
Meu Deus, quanto tempo!
E hoje por mais que tento
Não livro-me da solidão.

Solidão de quem não se está só
É o pior isolamento
Traz um enorme tormento
E grande inquietação.

Liberdade hoje busco
Na fé, no amor, na partilha,
No calor de uma família
Para aliviar o coração.

De angústia, ainda vivo
Cristalizada ficou.
Nem todo tempo que passou
Conseguiu aniquilá-la.

Mais consciente da vida
Tento vencer a tristeza.
Tento agir com firmeza
Busco em Deus proteção.

A cismar, às vezes fico
Na grandeza do Universo
E muitas vezes imersa
Me perco em devaneios...

Em devaneios, me perco...
Divago na grande beleza
Da pródiga Mãe Natureza
Que não abandona ninguém...

É SUBLIME A LÁGRIMA! ... (vfb)

É SUBLIME A LÁGIMA!...

poema escrito por
Vanda de Freitas Bezerra

Estou chorando...
E cada lágrima que corre
é uma comunicação silenciosa
que grita as verdades
que eu não não saberia dizer
com palavras.
E cada lágima que corre
é a palavra mais simples
que eu jamais diria
por orgulho, talvez,
pois somos produto
de um meio pobre,
muito pobre, de espírito.
E cada lágrima que corre
traduz as fraquezas
que esse mesmo orgulho
não deixa transparecer;
traduz as tristezas incontidas,
que não consigo esconder...

É sublime a lágrima! ...